Am.oRg talKs 13 FEVEREIRO 2015 – Terapia Ocupacional | Música | Futebol de Rua

Perdeu-se um futebolista, ganhou-se um músico

José Neves foi um dos convidados da 2.ª Am.oRg talKs e hoje trazemos-lhe um pouco da sua espetacular história. Tem apenas 21 anos, vive em Fornos (localidade do concelho de Santa Maria da Feira) e é conhecido no mundo da música como Ziggy Moore, sendo vocalista da banda “Distant Ship”. Devido a uma lesão no joelho, aos 16 anos, perdeu-se um futebolista, contudo, ganhou-se um músico multifacetado, que, não sendo profissional, sonha um dia sê-lo. Fazer da sua vida só e apenas música, tornar-se em alguém que vive da e para a música é a sua ambição e motivação.

José Neves contou-nos que é um rapaz trabalhador e, acima de tudo, tem a consciência de que tem que trabalhar, não para sobreviver, mas para viver. No seu dia a dia, é designer gráfico a tempo inteiro e técnico de fisioterapia nas horas vagas.

A música mexe com ele de uma forma muito intensa, “tenho uma paixão enorme pela música, a música mexe comigo todos os dias e, quando ouço música, ela tem que me dizer alguma coisa, se não disser, não faz sentido estar ali naquele momento”, conclui assim o vocalista dos Distant Ship.

Quisemos saber como nasceu o projeto “Distant Ship” e, por incrível que pareça, tudo surgiu após uma lesão grave num joelho, mais propriamente uma ligamentoplastia, que o incapacitou durante um longo período. José Neves era futebolista federado e, depois da operação, não voltou mais ao futebol. O receio sobre novas lesões fez com que o futebol ficasse para trás. Fechou-se uma porta e abriu-se uma nova janela chamada música, “gostava muito de música, ouvia muita música que ainda hoje ouço, através das influências do meu pai”.  Foi nessa altura que decidiu aprender a tocar guitarra.

“formámos a banda do nada, começámos a crescer, crescer e crescer, até aos dias de hoje e já lá vão 5 anos. Sabemos que ainda temos muito que crescer e estamos no bom caminho”.

O seu professor de música, João Guilherme, ouviu-o a cantar algumas vezes e achou que havia algo de especial. Propôs-lhe a criação de uma banda e ajudou-o a encontrar mais dois dos quatro membros que, ainda hoje, fazem parte da mesma. Ziggy Moore refere, com alegria, que “formámos a banda do nada, começámos a crescer, crescer e crescer, até aos dias de hoje e já lá vão 5 anos. Sabemos que ainda temos muito que crescer e estamos no bom caminho”. Simplicidade e humildade é, na nossa opinião, o que tem levado estes jovens a voar mais alto.

DS

FOTO: Distant Ship

Foi em 2014 que a banda Distant Ship lançou o seu 1.º álbum e aí surgem os nomes artísticos de cada elemento da banda: Ziggy Moore, Brod Alex, Phil Snow e Danin.

Quisemos saber como surge o nome “Ziggy Moore” e fomos surpreendidos com a resposta. “Ziggy” é um nome que José Neves sempre teve preferência, “gosto desse nome”, disse ele. Além disso, numa música de originais deles, ele identifica-se como o “Ziggy” e deixou-nos uma referência também ao nome “Ziggy Marley”, filho de Bob Marley. Quanto ao nome “Moore”, “esse vem do meu ídolo, a minha referência musical, David Gilmour, dos Pink Floyd”. E assim nasce o nome artístico “Ziggy Moore”.

“começou numa garagem, que hoje é um estúdio“.

Atualmente, os Distante Ship ensaiam uma média de quatro horas por semana, num estúdio próprio. Preferencialmente os ensaios são ao sábado da parte da tarde mas intensificam-se quando têm concertos agendados. Não obstante, confidencia-nos, tudo “começou numa garagem, que hoje é um estúdio”.

Estes quatro jovens, que variam entre os 19 e os 21 anos, tocam nos seus concertos oito originais do seu álbum “In Your Face”, apresentado, em maio de 2014, no Paços da Cultura, em São João da Madeira. No entanto, também presenteiam o público com 3 ou 4 covers das referências da banda, tais como: Whitesnake, Deep Purple, Def Leppard, Led Zeppelin, Pink Floyd, Bon Jovi, Queen, etc.

11074474_969313583078978_6420672720935407485_n

Foto: FAP, com utilização devidamente autorizada pelos Distant Ship.

“O mundo da música em Portugal é difícil de singrar mas não é impossível

Março trouxe aos Distant Ship um concurso. Trouxe, ainda, um primeiro lugar no “Plano B”, onde atuaram bandas com “muita qualidade, mesmo muita qualidade, Alexandre. Tivemos a sorte de sair vencedores e ficámos muito felizes por mais este momento”. A banda foi vencedora do XIII Concurso de Bandas de Garagem da Queima das Fitas do Porto, cujo prémio lhes vai permitir subir ao palco principal já em maio, onde tem grandes artistas como The Gift, D.A.M.A., Xutos e Pontapés, Anselmo Ralph, The Walks, entre outros.

“O mundo da música em Portugal é difícil de singrar mas não é impossível”, disse.

ziggyblogcapa

“Gostaria de poder trabalhar com estes músicos até ao final dos nossos dias, são os que eu tenho e, para mim, são os melhores do mundo, são a minha família”

Ziggy Moore diz que os Distant Ship são “uma família, únicos e espetaculares” e era esse o seu sentimento no momento da nossa entrevista. A sua paixão pela GRUPO é enorme e isso nota-se no brilho dos olhos, na forma como fala com um extremo carinho dos Distant Ship e, principalmente, dos membros Brod Alex, Phil Snow , Danin. “Gostaria de poder trabalhar com estes músicos até ao final dos nossos dias, são os que eu tenho e, para mim, são os melhores do mundo, são a minha família”, denotando o sentido de pertença e união familiar como um dos grandes valores deste grupo musical.

Em jeito de brincadeira, pedimos ao Ziggy Moore para definir José Neves: “ele é muito natural, gosta de mostrar o que sente e não tem medo disso”.

Foi nesta altura que o convidámos a encontrar uma palavra que descrevesse cada membro da banda: “o Hélder (Brod Alex) é um apaixonado pela música, o Filipe (Phil Snow) é natural e o Dani (Danin) é profissional.”

Contudo, fora dos palcos, “a música é outra”. Trabalha como designer gráfico, que vai desde a criação à aplicação, dado que a empresa “OTB – Outside The Box” permite que os funcionários sejam participativos, criativos e multifuncionais. Fora do seu horário de trabalho faz, ainda, domicílios como técnico de fisioterapia. “Ajudar os outros nasceu comigo, faz parte de mim. A minha mãe, por vezes, relata que, desde muito novo, eu já ajudava o meu irmão, que tem paralisia cerebral. Hoje continuo a fazê-lo com um prazer enorme”, finalizou assim este capítulo.

Para os interessados fica aqui a página oficial do facebook dos Distant Ship. Para finalizar, pedimos este vídeo, gravado de propósito para si, com a cortesia do Ziggy, mostrando assim que estes jovens e esta banda são acessíveis.

“o Hélder (Brod Alex) é um apaixonado pela música, o Filipe (Phil Snow) é natural e o Dani (Danin) é profissional.”

Se gostou desta entrevista também irá, com certeza, gostar da próxima, que será a 20 de abril, com o terceiro talker da 2.ª edição Am.oRg talKs, Bruno Seco, selecionador nacional de futebol de rua . Aponte a data na sua agenda ou subscreva a nossa newsletter.

A 4.ª Am.oRg talKs é  já hoje, dia 10 de abril, pelas 21 horas. Conheça aqui o programa.

TEXTO: ALEXANDRE MARTINS | ENTREVISTA FEITA POR: ALEXANDRE MARTINS | ENTREVISTADO: JOSÉ NEVES (ZIGGY MOORE) | FOTOGRAFIA: ALEXANDRE MARTINS | VERIFICAÇÃO DE TEXTO/DIRETOR DE TEXTO: ANTÓNIO PINHO

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s